terça-feira, junho 20, 2006

A memória na Web

A Selecção Portuguesa está apurada para a fase seguimente do Mundial da Alemanha. É impossível não recodarmos, por estes dias, a festa que foi o Euro 2004, realizado no nosso país. Viveram-se, então, emoções muito fortes.

Mas, como decorreram os jogos de Portugal na fase de grupos? Sabemos que começou por perder com a Grécia (Ai, a Grécia...). E qual foi a equipa, nesse jogo, e com a Rússia e a Espanha; os marcadores, os cartões, o decorrer do jogo... Está tudo aqui.

quinta-feira, junho 15, 2006

Jogos do Mundial grátis na Internet!!!

Basta fazer o download TVUPlayer e sintonizar no canal ESPN 2.

Dica Peopleware.

quinta-feira, junho 08, 2006

Videogames podem reduzir erros em cirurgias

Um novo estudo sugere a quem se prepara para ser submetido a uma cirurgia que pergunte ao médico se ele já jogou videogame. Os cirurgiões que se "aqueceram" jogando videogames como "Super Monkey Ball" por 20 minutos imediatamente antes de treinos cirúrgicos trabalharam com mais rapidez e cometeram menos erros do que os outros. [tecnologia.terra.com.br]

quinta-feira, junho 01, 2006

Videojogos ao serviço do Estado

Notícia do Jornal de Notícias [links colocados por mim].

«As grandes batalhas ideológicas que animam o planeta saltaram dos gabinetes dos estrategas para o universo dos videojogos. E têm feito estragos muito para lá das consolas e dos computadores. As primeiras imagens do novo jogo produzido pelos estúdios norte-americanos Pandemic, o "Mercenaries 2 - World In Flames", que chegará apenas em 2007 ao mercado, suscitaram aceso debate no Parlamento venezuelano, cheio de deputados indignados com o jogo. Aquele, de grande realismo, consiste em levar um comando dos EUA a assaltar a refinaria venezuelana de Amuay para garantir o controlo da produção petrolífera que se encontra nas mãos do tirano local. Não foi difícil à deputada Gabriela Ramírez ver, no jogo, uma peça da alegada campanha internacional dos EUA para justificar uma futura agressão militar à Venezuela, visando cativar os seus recursos petrolíferos.

«O caso não é inédito. Já antes, o "Mercenaries 1" evocava, de forma explícita, ataque similar à Coreia do Norte. Ali, porém, onde sobreviver é tarefa diária, não houve protestos - a existirem consolas, a realidade irá superar sempre a fantasia digital, por mais monstruosa que se apresente

«Mas a banalização da tecnologia dos videojogos ao serviço da propaganda não conhece fronteiras. Esta semana começará a ser distribuído um videojogo iraniano [o "Commander Bahman"], desenvolvido pelos membros de uma associação islâmica de estudantes, em que um comando iraniano tem de libertar um engenheiro nuclear capturado pelas forças norte-americanas no Iraque, onde se encontrava em peregrinação aos lugares santos xiitas de Kerbala. Com a tensão instalada entre Washington e Teerão, o êxito está assegurado.

«Algo que não aconteceu com o videojogo lançado pela ONU, do estilo "Sim City", [o "Food Force"]em que o objectivo é desempenhar tarefas ao serviço do Programa Alimentar Mundial. Os números mostram que lançar comida sobre campos de refugiados será menos entusiasmante do que atirar bombas sobre inimigos virtuais...»