quinta-feira, agosto 30, 2007

Docentes com a Net mais barata

O Governo acredita que o seu programa e-Oportunidades vai tornar Portugal num dos países do Mundo onde os professores pagarão tarifas mais baixas de acesso à Internet por banda larga. »» JN

Mas, fazendo bem as contas...

Para os professores, o preço do pc é de 150 euros. Mas com o pc vem um apêndice que, pelos vistos, é obrigatório: uma chamativa ligação à net 5 euros inferior ao preço de mercado, durante três anos (36 meses). O preço de mercado anda à volta dos 34,99 euros (...). Donde, temos 30 euros durante 36 meses (1080 euros) mais 150 de entrada. Total: 1230 euros, por um pc que, segundo os próprios fabricantes, custaria, a preços de mercado, 800 euros. »» Blogue Professores Contratados e Desempregados

Este programa pode ser positivo, mas não tem interesse para grande parte dos professores que já tem Internet em casa. Para estes, que interesse tem estar a pagar uma nova ligação, pois a que têm em casa é, porventura, mais rápida. E, na escola, espera-se que haja acesso em toda a área.
Curiosamente, quem decidiu investir na sua profissão, adquirindo um computador e pagando acesso à Internet (pessoalmento, não concebo a preparação das aulas sem estes instrumentos) não só gastou dinheiro, como agora não "consegue" beneficiar desta programa.

quinta-feira, agosto 16, 2007

e-escola, e-professor, e-oportunidade


Vale a pena ver seguir atentamente o discurso do Ministro Mário Lino, na apresentação de programas do Plano tecnológico para a área da educação.

O ministro refere como prioridade do Governo a literacia digital, "a capacidade generalizadade utilizar o computador e todas as suas capacidades."

Estes novos programas, que pretendem que haja um computador por aluno e professor, vão "trazer uma verdadeira mudança de paradigma", afirma o ministro.

Quanto à "verdadeira mudança de paradigma", muitos professores das diversas disciplinas utilizam há já algum tempo salas com computadores nas suas aulas.
Por outro lado, dificilmente veremos uma grande parte dos professores a alterarem os "seus paradigmas", o que quer que isto signifique. Até porque os docentes que terão mais responsabilidades na escola são os, agora, titulares que são, na sua maioria, os professores mais velhos, habitualmente mais reticentes à tal "verdadeira mudança de paradigma".