quarta-feira, janeiro 20, 2010

Certificação de competências digitais

Segundo indicação da ERTE/PTE, foi publicada a lista de certificados e diplomas que permitem ao docente requerer a certificação de competências digitais. (Diário da República II.ª Série: Despacho n.º 1264/2010. D.R. n.º 12, Série II de 2010-01-19)

Neste Despacho, é indicada a «lista de certificados e diplomas que permitem ao docente requerer a certificação de competências digitais por validação de competências associadas, de acordo com o ponto iii) da alínea b) do n.º 2 do artigo 8.º da Portaria n.º 731/2009, de 7 de Julho».

E a lista é a seguinte:
- Mac OS X, iWork ou iLife, da Apple;
- IT Essentials, CCent, CCNA ou CCNP, da Cisco Systems;
- European Computer Driving Licence, da ECDL Foundation;
- LPIC 1, LPIC 2 ou LPIC 3, do Linux Professional Institute;
- Micrososft Digital Literacy, Microsoft Windows ou Microsoft Office,
da Microsoft;
- Oracle Database ou Oracle Application Express, da ORACLE;
- Open Office, Star Office ou OpenSolaris, da Sun Microsystems.

Avaliar as competências é um assunto que tem estado em discussão, mas não é nada linear como se faz isso. Para os decisores, impõe-se, naturalmente, tomar opções. E, na óptica da massificação, torna-se necessário oferecer enquadramentos e formas rígidas para o fazer. Terá sido o que levou a aceitar esta multiplicidade de diplomas e certificações.

Não conheço todos estes formatos e o que implicam, mas os que já tive a oportunidade de analisar têm uma lógica completamente virada para as competências de menus e botões. É condição importante, mas neste domínio não creio que seja necessário subir um degrau de cada vez, porque as competências digitais não podem ser desligadas da "capacidade de aceder, compreender e apreciar, de forma crítica, diversos aspectos dos media e dos conteúdos mediáticos e de comunicar numa multiplicidade de contextos", como propôs a Comissão Europeia, em Agosto de 2009.

Pode acontecer que, para efeitos estatísticos - aquilo a que vulgarmente se chama para "inglês [e outros concidadãos europeus] ver", uma grande percentagem dos professores passe a figurar como competente digitalmente. E isso terá sempre ganhos e méritos. Mas é importante compreender que se pode esbanjar uma excelente oportunidade, a de promover entre os professores uma relação mais crítica com os meios digitais e, decorrente disso, contribuir para aumentar os níveis de literacia dos media entre os alunos.

2 comentários:

Ana Paula Margarido Azevedo disse...

Olá, Luis!
Concordo contigo. De facto, como Philip Salembier afirmou num dos seus posts: "Many literacies co-exist, supplement one another, extend into one another (...)"

Luís Pereira disse...

Olá, Ana Paula!

Obrigado pelo comentário. Não sei se conheces(talvez exista também no Brasil), mas essa citação faz-me lembrar a expressão das cerejas. Tal como as competências, vêm sempre aos molhos...